PARA QUE AVALIAR ?


Este é um informativo para  empresários e investidores antes da compra ou modificação de uma empresa como também na construção de um projeto.

Antes de investirmos em uma empresa precisamos avaliar.  Ou seja, determinar o seu valor justo para não pagarmos um valor acima do que ela realmente vale.

A forma mais coerente de avaliar é calcular a rentabilidade, que chamaremos de Retorno.  O Retorno é a porcentagem entre o ganho e o investimento na unidade de tempo.  Por exemplo, se a Poupança paga 8% por ano, teremos um ganho de $8 para cada 100 investidos.  Se a média histórica de um fundo está em 14% por ano, saberemos que estaremos recebendo uns $14 para cada $100 investidos no longo prazo.

No mundo das empresas existem somente duas possibilidades fundamentais de avaliar.  Podemos avaliar uma empresa, ou podemos avaliar um projeto (empresa que ainda não existe).

Todas as outras possibilidades referentes a empresas, como modificar uma fábrica existente, fusões e aquisições, entradas a novo projetos, a justificação de um empréstimo, o desenvolvimento e lançamento de novos produtos, entradas a novos mercados, a aquisição de novas tecnologias, mudanças na estrutura de capital, terceirização, contratação de pessoal especializado, reengenharia, desempenho de executivos, desempenho de áreas da empresa, a troca e aquisição de novos equipamentos, e até o valor da marca entre outras, continuam sendo combinações dos dois únicos casos de avaliar citados acima.  Matematicamente é possível demonstrar que não pode ser encontrada uma terceira forma fundamental.

Conhecido o Retorno de um investimento podemos de imediato conhecer seu Valor e vice-versa.  Ou seja, se um investimento gera uma média de ganho anual de $40 e pagamos por ele $100, nosso Retorno seria de 40% (40/100).  Se fosse comprado por $50, nossa rentabilidade subiria para 80% (40/50).  Se quisermos que o Retorno seja de 20% pagaríamos então $200 (40/200).  Vemos que para cada valor pago gera um retorno diferente.  Também para cada retorno exigido é gerado um valor ou preço.

Com o anterior, se conhecemos o Retorno Justo, podemos calcular o Preço Justo ou Intrínseco  e vice-versa.

Nosso objetivo quando avaliamos um Projeto é calcular o Retorno e verificar se é atrativo.

Nosso objetivo quando avaliamos uma Empresa é calcular o Preço Intrínseco e conhecer seu valor justo.

Nosso objetivo quando avaliamos uma Modificação é calcular o Preço Intrínseco antes e depois da modificação, e verificar se a mesma agregou ou não valor ao negócio.  Exemplifiquemos.

PROJETO: Temos um projeto de construir uma fábrica de sorvetes.  Esse projeto tem risco.  A rentabilidade justa (mínima) que aceita um investidor pelo risco para entrar no negócio de sorvetes é 16%.  O Retorno de esse projeto de fábrica resultou em 26% ao ano.  A Poupança rende 8% e não tem risco.  A decisão é se montarmos a fábrica ou se investir nosso dinheiro na Poupança ou coisa melhor.  Conhecendo o negócio dos sorvetes, melhor ainda, pois existirá menos risco, e portanto menos perigo.

EMPRESA: Nosso Diretor Financeiro ou Contador nos avisa que a fábrica de pneus que queremos comprar tem um ganho médio anual em dividendos de $8 milhões.  O dono dela pede $40 milhões.   Se a rentabilidade justa é 25%, o preço a oferecer seria $32 milhões (8/32).  Se pagarmos o que o vendedor quer, teríamos um retorno de 20% (8/40).  Pode ser que 20% de rentabilidade seja suficiente para os nossos interesses a pesar que a rentabilidade justa seja 25%.

MODIFICAÇÃO DE EMPRESA: É o caso anterior aplicado duas vezes.  A única diferença é que se precisa calcular o valor da empresa antes da modificação, somar o novo investimento, comparar-lo com o valor depois da modificação, e ver se aumentou.  Por exemplo, uma empresa que fabrica roupa vale $6 milhões com 100% de produtividade e mercado aquecido.  Ao ser inserida uma nova tecnologia no corte e na costura com um investimento de $1 milhão, sua receita aumenta, reduz os custos, etc., gerando assim uma maior rentabilidade.  Ao recalcular o valor da fábrica descobrimos que sobe para $10 milhões, descontando $1 milhão do investimento tecnológico, daria um aumento de 3 milhões [9 menos 6].  Dessa maneira fica claro que a modificação da fábrica é uma boa escolha porque acabamos de criar ou aumentar seu valor antigo.

Agora que temos uma idéia do que é uma avaliação em geral, vem a pergunta do artigo.  Para que serve avaliar?

Apresentamos um listado inicial, que poderia ser enorme, referente à utilidade das avaliações na sua aplicabilidade no mundo empresarial.  Poderemos aumentar o número, se você amável leitor, queira nos endereçar algumas a mais:

  1. De forma justa poder comprar uma empresa que nos interessa ou vender a nossa por receber uma oferta hostil.
  2. Querer construir uma fábrica confirmando sua viabilidade econômica.
  3. Confirmar a viabilidade econômica de nossas decisões quando queremos modificar uma empresa, como nos casos de fusões, aquisições, entradas a novos projetos, lançamentos de novos produtos, entradas em novos mercados, aquisição de novas tecnologias, mudanças na estrutura do capital, justificação de empréstimos, terceirizações, ampliação de fábricas, desempenho de executivos, reengenharia, desempenho de áreas da empresa, e troca e aquisição de novos equipamentos entre outros.
  4. Saber o valor de uma Marca.
  5. Entrada de um novo sócio por motivos estratégicos ou por necessidade de Capital de Giro.
  6. Saída de um sócio por interesses pessoais.
  7. Reduzir os riscos de crise mundial ou regional.  Ao avaliar corretamente, os preços não estariam inflados.
  8. Proteger aos investidores.  Os investimentos seriam comprados pelo valor justo.
  9. Reduzir a especulação.  Saber o valor justo evita altas volatilidades.
  10. Ajudar às empresas Analistas de Risco como a Moody´s, Standard&Poor´s, em catalogar melhor e mais rápido os riscos, reduzindo também a sua enorme carga de trabalho.
  11. Ajudar às agências dos governos como o SEC, a CVM em policiar e vigiar o mercado acionário.
  12. É um pilar para a Governança Corporativa na transparências das empresas de capital aberto.
  13. ....e a listagem continua....

____________________________________________________________________________________________________________________ 

Isaac Hayon Sasson é Engenheiro Mecânico, Executive MBA, especializado em Finanças Corporativas, e consultor nas áreas de avaliação de empresas, projetos de engenharia, construção de fábricas e recuperação de empresas.

E-mail :  isaach@sti.com.br   Portal :  www.valordeempresa.com


"Saber o valor de uma empresa com aceitável precisão, permite uma inteligente e exitosa culminação de objetivos"